Pintura do Retrato de Lúcia - Parte I



Lúcia Rosa dos Santos nasceu em Aljustrel, a 28 de março de 1907 e foi batizada dois dias depois. Os seus pais eram António dos Santos e Maria Rosa e foi a mais nova de sete irmãos.


Em 30 de maio de 1913, Lúcia recebe a Primeira Comunhão aos seis anos, por mediação do Pe. Cruz que ficou impressionado com os seus conhecimentos catequéticos. 


Os seus pais eram António dos Santos e Maria Rosa e foi a mais nova de sete irmãos.

Tinha o rosto moreno e arredondado e a boca larga; nariz achatado, testa curta e dois olhos negros e espessas sobrancelhas. Era decidida e séria. Gostava de se arranjar bem, sobretudo nas festas.


A família gostava muito dela por ser inteligente e meiga. Gostava de crianças e entretinha-as com facilidade. Gostava de jogar ao esconde-esconde e ao botão, às pedrinhas e às prendas.

Nas suas Memórias, Lúcia relata que em 1915 teve visões de uma espécie de nuvem, com forma humana, por três ocasiões diferentes, enquanto estava com outras amigas.


Com os primos Jacinta e Francisco, recebeu por três vezes a visita de um Anjo (1916) e por seis vezes a visita de Nossa Senhora (1917), que lhes pediu oração e penitência em reparação e pela conversão dos pecadores.


Na segunda aparição de Nossa Senhora, a 13 de junho de 1917, Lúcia pediu a Nossa Senhora:

– Queria pedir-lhe para nos levar para o Céu.

Respondeu Nossa Senhora:

– Sim; a Jacinta e o Francisco levo-os em breve. Mas tu ficas cá mais algum tempo. Jesus quer servir-Se de ti para me fazer conhecer e amar. Ele quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração. [A quem a abraçar, prometo a salvação; e serão queridas de Deus estas almas, como flores postas por Mim a adornar o Seu trono].


– Fico cá sozinha? – perguntou ainda a Lúcia, com pena.

– Não, filha. E tu sofres muito? Não desanimes. Eu nunca te deixarei. O meu Imaculado Coração será o teu refúgio e o caminho que te conduzirá até Deus.

Foi no momento em que disse estas últimas palavras que Nossa Senhora abriu as mãos e lhes comunicou, pela segunda vez, o reflexo dessa luz imensa. Nela nos víamos como que submergidos em Deus. A Jacinta e o Francisco pareciam estar na parte dessa luz que se elevava para o Céu e a Lúcia na que se espargia sobre a terra. À frente da palma da mão direita de Nossa Senhora, estava um coração cercado de espinhos que parecia estarem-lhe cravados. Os pastorinhos compreenderam que era o Imaculado Coração de Maria, ultrajado pelos pecados da humanidade, que queria reparação.»


Após as aparições, a vida de Lúcia e dos seus primos transformou-se completamente: não só porque acolhem os pedidos da Senhora, recitando diariamente o terço, fazendo sacrifícios, alguns dolorosos, pelos pecadores e comparecendo durante seis meses, ao dia 13, naquele local, mas sobretudo porque passam a ser constantemente interrogados sobre o que viram e acusados de mentirem e de inventarem tudo.


Depois das Aparições, Lúcia sofrerá nos anos seguintes, duras perdas: a morte do Francisco e da Jacinta bem como de seu pai.

Para além disso, ainda adolescente, Lúcia será sujeita a vários interrogatórios e perseguições que irão acompanha-la durante toda a sua vida, conforme foi previsto por Nossa Senhora.



No próximo artigo continuaremos com a pintura do retrato de Lúcia já como freira. 

Como mencionamos no artigo anterior, Lúcia será por nós retratada em duas partes. Nesta primeira parte retratamos a sua imagem ainda como pastorinha à data das aparições de Nossa Senhora. Na próxima parte iremos retrata-la na sua velhice. 



Bibliografia:

Pormenores da história e palavras de Lúcia retirados dos sites:





As imagens são pinturas originais de Gráccio Caetano ao retratar Lúcia com a técnica de carvão/grafite sobre papel.

Visite-nos nas nossas lojas virtuais:


Para encomendas e outras informações, contacte-nos!

912193988 – 224035136
gracio.vilela.caetano@gmail.com

Conheça os outros azulejos Gráccio Caetano em

Sem comentários: